Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Brincar sem adultos por perto

Uma nova teoria sobre a adaptação humana sugere que os nossos antepassados desenvolveram a capacidade de jogar para fomentar o desenvolvimento de uma forma de vida mais cooperativa.

Segundo o psicólogo Peter Gray, o uso do jogo nos primórdios da humanidade teria ajudado a vencer as tendências de agressão e de domínio que teriam tornado impossível uma sociedade cooperativa. Desde então, o jogo manteve-se como ferramenta de coesão social até à actualidade… ou quase.

Gray explica que “o jogo e o humor não são só formas de diversão mas servem para promover atitudes igualitárias, intensificar a partilha e, no momento certo, ajudaram os humanos caçadores-recolectores a conseguir a paz social da qual dependiam para sobreviver”.

O jogo ideal

Num artigo publicado na revista especializada American Journal of Play, Gray assinala que os humanos daquela época utilizavam o humor, de maneira deliberada, para manter a igualdade e evitar os distúrbios. Até as suas leis e rituais tinham algo similar às do jogo.

Na actualidade, as actividades lúdicas, que permitem resistir à avareza ou arrogância - e que promovem a empatia, perderam-se em grande medida.

Segundo Gray, não seria exagerado “sugerir que as acções egoístas que propiciaram o colapso económico recente são, em parte, sintomas de uma sociedade que se esqueceu como jogar”.

O interesse pelo jogo é cada vez maior entre psicólogos, educadores e público em geral porque “as pessoas começam a aperceber-se que fomos muito longe ao direccionar as crianças unicamente para a competição”, afirmou o psicólogo.

E continuou: “privamos as crianças das formas normais, não competitivas, do jogo social, que são tão importantes para o desenvolvimento do sentido da igualdade, ligação e empatia”.

Jogo livre

Gray afirma que o tipo de “jogo” que num dado momento ajudou a desenvolver estas qualidades nas crianças dos nossos antepassados seria aquele que é livremente escolhido, que mistura idades, que não está organizado pelos adultos e que não é competitivo.

Este “jogo livre” é muito diferente dos entretimentos actuais das crianças: jogos de vídeo, televisão ou actividades extra-escolares e desportos.

Por outro lado, a presença habitual de adultos supervisores e observadores nos jogos infantis faz com que as crianças assumam uma postura competitiva.

Desta forma perdem-se as vantagens que os jogos auto-organizados proporcionam: com eles as crianças aprendem a relacionar-se bem com diferentes tipos de pessoas, a comprometer-se, antecipar e conhecer as necessidades dos outros (para que os outros queiram continuar a jogar com ele, por exemplo, vendo, desta forma, o mundo na óptica do outro).

“As crianças e os adolescentes das culturas primitivas faziam “jogos livres” constantemente, convertendo-se assim em adultos extraordinariamente cooperativos e igualitários”, assinala Gray.

O jogo acaba por ser uma componente fundamental de todos os seres humanos na idade adulta, ao ter permitido que os jovens se desenvolvessem como seres intensamente sociais e colaboradores.

O jogo a todos os níveis

No decurso da investigação de Gray, tornou-se cada vez mais evidente que o jogo e o humor se encontravam no núcleo das estruturas sociais dos caçadores-recolectores adultos.

Estes usavam o humor, deliberadamente, para manter as igualdades e evitar os conflitos. As crenças religiosas e as cerimónias também eram festivas e estavam baseadas em suposições sobre as suas próprias deidades de igualdade, humor e vontades caprichosas.

Além disso, em tais sociedades, também se mantinham atitudes “brincalhonas” na caça, durante a colheita e durante outras actividades de subsistência, para permitir em parte que cada pessoa escolhesse quando, como e quanto se ocuparia dessas actividades.

Isto é, o jogo não só ajudava a criar um compromisso em actividades comuns mas também a manter, em certa medida, a autonomia individual.

Segundo Kirk M. Endicott, antropólogo especialista nestas sociedades, “a perspectiva de Gray ajudará a compreender a razão por que algumas sociedades podem viver em harmonia e ser cooperativas, fomentando ao mesmo tempo a autonomia dos indivíduos”.

Yaiza Martínez







Criado em: 20/04/2009 • 10:47
Actualizado em: 20/04/2009 • 10:47
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  O mal de quase todos nós é que preferimos ser arruinados pelo elogio a ser salvos pela crítica  Norman Vicent Peale
^ Topo ^