Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Por que é que as crianças não nos obedecem

"Estás a ouvir? Eu não te disse para vestir o casaco? Está frio na rua!"

Esta pode ser uma conversa habitual entre pai e filho. Parece que tudo o que lhes dizemos entra por um ouvido e sai pelo outro. Mas não é assim que isto funciona.

As crianças ouvem e apenas guardam a informação para a utilizar mais tarde, revela um novo estudo.

"Quando iniciámos o estudo nunca imaginámos obter os resultados encontrados", disse o psicólogo Yuko Munakata da Universidade do Colorado.

"Muito do trabalho desenvolvido no estudo do processo cognitivo das crianças baseia-se no facto de se considerar que as crianças são "versões pequenas de adultos", tentando fazer o mesmo que os adultos. Mas isso não é assim. O que elas fazem é completamente diferente".

Munakata e a sua equipa conceberam um jogo de computador e um dispositivo capaz de medir o diâmetro das pupilas do olho para determinar o esforço mental, com o objectivo de avaliar capacidades cognitivas em crianças entre três e meio e oito anos.

O jogo tem regras simples e vai ao encontro de dois personagens da televisão que as crianças apreciam: Blue (do programa "Blue's Clues") e o popular Bob Esponja.

Os investigadores disseram às crianças que Blue gostava de melancia enquanto que Bob Esponja não. O que tinham de fazer era dar um clique na cara feliz que aparecia no ecrã do computador quando Blue aparecia seguido de uma melancia e dar um clique na cara triste quando aparecesse Bob Esponja.

As crianças mais velhas acharam o jogo fácil, porque conseguiram antecipar a resposta antes do objecto aparecer. Mas as crianças em idade pré-escolar (três anos) não conseguiam antecipar-se.

Elas faziam um compasso de espera e um nítido esforço mental para recordar a regra e actuavam depois. Por outras palavras: as crianças pequenas não conseguem planear.

Quando o pai diz "vai buscar o casaco, porque vamos sair e está frio lá fora", a criança não é capaz de seguir esta sequência. Mas, ao sair e sentir frio, lembra-se imediatamente do conselho do pai e volta para procurar o casaco.

Então, para a próxima vez que pensarmos dar uma ordem a um filho de três anos ou menos, será melhor evitar fazer referências ao futuro.

Munakata desafia-nos a experimentar algo diferente: "se tiveres frio, lembra-te que o casaco está no teu quarto".




Criado em: 07/04/2009 • 23:36
Actualizado em: 08/04/2009 • 00:27
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  O importante não é viver, mas viver com dignidade  Sócrates
^ Topo ^