Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - O cibercrime transforma-se em crime organizado


S21sec acaba de publicar o seu primeiro Relatório do Cibercrime [pdf]. O relatório, que inclui os dados recolhidos pela unidade S21sec e-crime (crime electrónico) e faz parte dos serviços secretos de informação mensal avançada de ameaças na Internet, pretende constituir uma radiografia que reflicta a evolução da luta contra o cibercrime ao longo do ano passado.

O relatório assinala que uma das piores consequências da profissionalização da fraude na Internet foi a implicação dos grupos organizados de crime tradicional em todos os ciberdelitos onde havia a possibilidade de obter algum benefício económico.

No entanto, ultimamente apareceram novos ataques com fins políticos, ou até estatais, contra países onde existem conflitos.

Durante 2008 este tipo de ataques começou a aparecer com certa frequência nos meios de comunicação (ex.: Rússia – Geórgia; Israel – Gaza), assinala o relatório.

O relatório assinala também que a maioria das incidências registadas no ano 2008 foram provenientes dos Estados Unidos. De facto, cerca de 850 casos de phising e perto de 530 casos de troianos (programas informáticos maliciosos) são provenientes daí.

A recente luta contra o e-crime

O mais importante é que houve sucesso na luta contra o cibercrime no segundo semestre de 2008, porque se eliminaram alguns dos servidores chave na infra-estrutura criminal.

ISPs como Atrivo/Interchange ou McColo foram desligados no ano passado. Além disso, o fórum de compra e venda de dados roubados, DarkMarket, foi fechado em Outubro de 2008 pelo FBI. Também foi possível diminuir consideravelmente o volume de spam em relação aos meses estivais.

Como é sabido, a web é um conjunto de redes e sub-redes que comunicam entre si. A administração delas depende dos provedores da Internet (chamados ISP). Os mencionados ISPs tinham-se transformado em pilares da infra-estrutura cibercriminal.

Entre a época romântica e o e-crime

Neste relatório é feito um desenvolvimento histórico onde se explica a existência de uma época romântica (1996-2000), na qual começaram a desenvolver-se os primeiros vírus.

Posteriormente (2001-2004) passou-se a uma espécie de Idade Média, aparecendo então os primeiros phising ou vermes.

Posteriormente veio a fraude (2005-2006), através da qual apareceram as “milícias cibernéticas”.

Actualmente estamos imersos no e-crime ou crime electrónico, etapa na qual se produzem ataques geopolíticos e em que uma das motivações principais é a de ter o controlo da Internet.

São, precisamente, as ameaças geopolíticas as que trouxeram consigo uma crescente preocupação em todos os Estados. Isso deve-se ao aumento da tensão e das actividades militares e políticas na rede: o cyberwarfare. Por exemplo, tal como informa a BBC, a Estónia foi objecto de um ciberataque por causa de uma decisão do seu Governo mudar um monumento da época soviética.

Recentemente, esse mesmo meio de comunicação informou que a NATO se encontra sob permanentes ciberataques.

Estas ciberescaramuças são levadas a cabo, em algumas ocasiões, por organizações que procuram aceder a dados secretos destas instituições.

Tipos e origem dos ataques

A maioria dos ataques informáticos provém, principalmente, do uso do phising e dos troianos. De vez em quando surgem novos tipos de phising devido a uma debilidade existente numa das funções de JavaScript dos principais motores de busca na rede.

Estes tipos de malware levou a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) a advertir que a economia da Internet pode estar em perigo. Tanto é assim que se pensou que a confiança dos utilizadores na Internet pode ver-se minada por causa destes episódios do cibercime.

Juan R. Coca



Criado em: 06/03/2009 • 08:32
Actualizado em: 06/03/2009 • 08:38
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Quem fez o trabalho? Aquele que o terminou...  
^ Topo ^