Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - As falsas vitaminas

As falsas vitaminas são substâncias com características próprias das vitaminas mas que não cumprem com os critérios da sua definição

Vitamina F, coenzima Q10, colina e inositol são conhecidas no âmbito da nutrição como falsas vitaminas ou vitaminóides.

Todas actuam de uma forma concreta no organismo, mas não é possível denominá-las vitaminas já que não cumprem com os critérios necessários para poderem considerar-se como tal.

No caso da vitamina F, não se trata de uma vitamina mas de ácidos gordos essenciais. Quando é o próprio corpo que produz os compostos, isso significa que não são essenciais, o que acontece com as autênticas vitaminas.

Com esta confusa denominação, vitamina F, também são conhecidos os ácidos gordos essenciais: nutrientes que o organismo não pode fabricar e que, portanto, é necessário obter através dos alimentos.

Os ácidos gordos que constituem a vitamina F são os polinsaturados, onde se distinguem os ácidos gordos omega-3 e omega-6. A série omega 6 é formada pelos ácidos linoleico e araquidónico, existentes nos azeites vegetais virgens, no girassol e nos frutos secos.

Também faz parte desta série o ácido gamma-linolénico, existente no azeite de onagra e água de bacalhau. A série omega 3 é constituída pelos ácidos gordos alfa-linolénico, eicosapentaónico (EPA) e docosahexaenóico (DHA), que abundam na gordura dos pescados azuis.

Colina e inositol

A colina é muito similar, quanto às suas características, às vitaminas do grupo B. No entanto, não cumpre todos os critérios da sua definição já que não é essencial.

Forma-se no organismo, por isso os alimentos não são o único modo de obtê-la. Sintetiza-se no fígado e desempenha um papel importante no metabolismo das gorduras ao ser componente da lecitina (fosfatidilcolina) e na transmissão do impulso nervoso ao fazer parte do neurotransmissor acetilcolina.

Detectaram-se carências de colina em humanos que se associam a hipertensão e a perda de cor, entre outras doenças.

Os especialistas recomendam, para adultos, uma ingestão diária de 550 e 425 miligramas de colina em homens e mulheres respectivamente e quantidades ainda maiores durante a gravidez.

Um ovo grande contém mais de metade da quantidade diária recomendada de colina. Outros alimentos ricos em colina, além do ovo, são o fígado, a soja, a carne, o leite e os amendoins.

O inositol faz parte dos tecidos de todos os seres vivos. Nos animais encontra-se nos fosfolípidos (gorduras que contêm fósforo e que fazem parte das nossas células).

Nos vegetais, a sua estrutura está relacionada com a do ácido fítico, substância que é capaz de formar complexos com o cálcio, o ferro e o zinco, limitando a sua absorção pelo organismo e que se encontra na casca dos grãos de cereais.

Os alimentos que contêm inositol em quantidades apreciáveis são as frutas, as verduras, os cereais, os legumes, as nozes e alguns órgãos animais como fígado e coração.

Ambos os vitaminóides produzem-se no corpo em quantidade suficiente para cobrir as suas necessidades, por isso não se torna necessário ingerir suplementos destas substâncias.

Em qualquer caso, há de ser o especialista quem decide se é necessária ou não a tomada destes ou de qualquer outro tipo de suplementos e em que dose.

Coenzima Q10

Também é conhecida como ubiquinona, nome proveniente da palavra latina "ubiquetat", que dá a entender a sua qualidade de "ubiquidade", de estar omnipresente.

Por isso, a coenzima Q10 faz parte de todos os tecidos do organismo em diferentes proporções. Os órgãos que maior quantidade de energia necessitam para poder trabalhar, como o coração e o fígado, são os que mais coenzima Q10 contêm.

É um elemento imprescindível para a obtenção de energia e possui uma importante acção antioxidante. Tanto é assim que existe uma grande semelhança entre as propriedades antioxidantes da vitamina E e as da coenzima Q10.

O facto do coração ser um dos órgãos que mais coenzima Q10 concentra, explica o papel proctetor deste composto em transtornos coronários.

Por este motivo são muitas as investigações que se debruçam a fundo sobre este efeito protector. Os benefícios clínicos devem-se principalmente à sua capacidade para melhorar a produção de energia, actividade antioxidante e de nutrição da membrana do tecido cardíaco danificada.

Vários estudos demonstraram que a coenzima Q poderia ser útil em pacientes com transtornos coronários já que está presente nas lipoproteínas de baixa densidade (LDL colesterol ou colesterol mau) e inibe a sua oxidação e depósito nas paredes arteriais, entre eles o trabalho de pesquisa levado a cabo pelo Laboratório de Pesquisa do Coração do Medical Hospital and Research Centre em Moradabad (Índia). Nesta investigação, os autores sugerem que a coenzima Q10 pode ajudar a regenerar a vitamina E, reconhecida também pela sua capacidade antioxidante.

COENZIMA Q10 COMO COMPLEMENTO DIETÉTICO

Dada a relevância do seu papel preventivo na saúde do coração, o Departamento de Enfermaria da Universidade do Sul da Califórnia em Los Angeles (EUA) reviu exaustivamente 30 anos de pesquisas sobre o uso da coenzima Q10 na prevenção e tratamento das doenças cardiovasculares. Os autores concluem que pode ser interessante usar coenzima Q10 como complemento dietético no tratamento convencional.

A deficiência de coenzima Q10 foi observada em pacientes com insuficiência cardíaca congestiva, angina de peito, doença da artéria coronária, miocardiopatia, hipertensão, entre outras doenças cardíacas e coronárias.

Estima-se que os alimentos com maior quantidade de coenzima Q10 são o peixe, os azeites de pescado, as nozes e as carnes.




Criado em: 27/01/2009 • 10:45
Actualizado em: 27/01/2009 • 10:45
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°1 

Paulo Sousa 15/02/2009 • 13:24

Tenho um manual anabólico e li artigos bastante interessantes sobre o azeite de onagra e as suas propriedades, gostava pois, de saber aínda mais sobre este producto como suplemento. De resto, gostei bastante do que li, foi-me bastante elucidativo. obrigado tongue

  Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós.
Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.  
Antoine de Saint-Exupéry
^ Topo ^