Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - A espiritualidade garante a felicidade das crianças



A espiritualidade determina o grau de felicidade das crianças, assinala um estudo realizado pelos cientistas Mark Holder, Ben Coleman e Judi Wallace, da Universidade de Columbia, no Canadá, e cujos resultados apareceram publicados na revista especializada Journal of Happiness Studies.

Os mesmos resultados apontaram, no entanto, que as práticas religiosas (como ir à igreja, rezar ou meditar) não influem no nível de felicidade infantil. Uma explicação possível para esta ausência de relação poderia estar no facto de serem os pais, e não as crianças, quem determina a frequência destes hábitos, explicam os investigadores.

A espiritualidade poderia descrever-se como um sistema interior de crenças, enquanto a religiosidade é mais uma actividade organizada e externa, que pode estar baseada numa igreja, num livro ou em práticas ou rituais, etc.

O aspecto pessoal e comunitário

A investigação foi levada a cabo em quatro escolas públicas e duas privadas (religiosas), com um total de 761 crianças. A todos foram entregues seis questionários diferentes com os quais se mediram os níveis de felicidade, espiritualidade e religiosidade, bem como o seu temperamento natural.

Os pais das crianças também participaram das pesquisas, informando sobre o grau de felicidade e o tipo de temperamento dos seus filhos.

Apesar de já se terem realizado investigações sobre a relação entre felicidade e espiritualidade e religiosidade em adultos e adolescentes, esta mesma relação ainda não tinha sido bem estudada em crianças.

Segundo explicam os cientistas no seu artigo original [pdf], os participantes seleccionados para as provas tinham entre oito e 12 anos, porque é nestas idades que as crianças já são capazes de identificar e empregar as suas emoções.

A análise dos dados dos questionários revelou que as crianças que afirmavam ser mais espirituais eram mais felizes.

Concretamente, o aspecto pessoal (por exemplo, o valorar a própria vida ou sentir que esta faz sentido) e o aspecto comunitário (a qualidade e profundidade das relações interpessoais) da espiritualidade das crianças foram fortes indicadores da felicidade destes.

Altruísmo e amabilidade

A espiritualidade explicou de facto 27% das diferenças nos níveis de felicidade das crianças.

Por outro lado, o temperamento das crianças também foi um importante indicador da sua felicidade. Em particular, as crianças mais felizes mostraram ser as mais sociáveis e as menos tímidas.

Mas mesmo sem ter em consideração o temperamento no momento de medir o grau de felicidade dos participantes, a relação entre espiritualidade e felicidade continuou a ser importante.

Segundo os autores, a investigação aponta para o aumento do sentido pessoal como factor chave na relação entre espiritualidade e felicidade nas crianças.

Por isso, qualquer estratégia nesta direcção, como ajudá-los na amabilidade para com os outros, a serem altruístas ou a praticar o voluntariado, vai fazê-los sentirem-se mais felizes.

O dinheiro não dá a felicidade

Era inevitável a análise deste chavão desgastado pelo tempo. Estes resultados coincidem com estudos similares realizados em adultos e adolescentes. Diversas investigações demonstraram que existe uma relação positiva similar entre a espiritualidade ou a religiosidade e a satisfação vital, a felicidade ou o bem-estar.

Segundo explica Holder, num artigo publicado anteriormente pela Universidade de Columbia, factores como o dinheiro contribuem pouco para a felicidade das crianças.

De facto, assinala o investigador, o dinheiro só explicaria 1% dos sentimentos de felicidade das crianças, tanto nas que estudam em escolas públicas como nas privadas.

É a espiritualidade, entretanto, a que produz o sentimento de viver com um sentido, estimula a esperança, reforça as normas sociais positivas e proporciona uma rede social de apoio, todos eles elementos que melhoram o bem-estar pessoal.

Ainda ficam muitas questões por explorar a este respeito. Uma delas é como potenciar a felicidade das crianças aplicando estes novos conhecimentos. Mas os investigadores esperam que algum dia haja actividades escolares que vão nessa direcção. Definitivamente, gente feliz é mais tolerante, criativa e produtiva.

Yaiza Martínez



Criado em: 27/01/2009 • 09:44
Actualizado em: 04/05/2015 • 14:09
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°2 

Elinete Cavalcante 28/07/2009 • 00:10

Gostei muito do artigo.
estou no terceiro cemestre de serviço social e procuro um tema ligado a espiritualidade para iniciar minha monografia.
o que vocês me sugerem?
obrigada.

Comentário n°1 

Leda Cristina 06/04/2009 • 23:14

Excelente matéria . O tema central da minha monografia (faço Serviço Social)  é Criança: "O que elas querem que o dinheiro não compra." e realmente o artigo enfoca a espiritualidade, o real sentido da felicidade e a vida das crianças que são educadas para a vida e não para a mídia. Muito bom. Parabéns e muito obrigada. Lêda Cristina/Salvador

  O segredo de permanecer jovem é viver honestamente, comer devagar e mentir sobre a idade  Lucille Ball
^ Topo ^