Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Comer depressa faz engordar

Os especialistas já suspeitavam que comer com voracidade não era um hábito saudável.

"Come devagar e mastiga cada bocado 20 vezes", diz o dito popular. Agora, uma investigação realizada no Japão demonstra que isto está certo.

O estudo contou com uma mostra de 3.287 indivíduos entre os 30 e 69 anos de idade, que foram interrogados sobre os seus hábitos alimentares com especial incidência para a velocidade a que costumavam comer (deviam escolher entre muito lento, lento, médio, rápido e muito rápido).

Também se perguntou se, de forma habitual, comiam até saciar-se e verificou-se o peso ajustado pela altura (índice de massa corporal, IMC).


Demasiado rápido

Cerca de 50% dos participantes reconheceu comer até à saciedade e 45,6% dos homens e 36% das mulheres afirmaram que comiam de forma muito rápida.

Os resultados mostraram que tanto os que comiam com rapidez como os que o faziam até se saciar, multiplicavam por dois a probabilidade de ser obesos, mas que quando ambas as coisas se verificavam, o risco ainda aumentava mais.

Os indivíduos que comiam depressa e até se sentirem saciados ingeriam um maior número de calorias, tinham mais peso e três vezes mais probabilidades de ter sobrepeso em comparação com os que comiam pausadamente e sem se saciar.

Esta investigação deu um novo passo ao comprovar que quando estão presentes ambos os hábitos, o risco de sobrepeso aumenta substancialmente.

Os mecanismos da saciedade

Se se come muito depressa, o estômago não tem tempo de enviar o sinal de saciedade e ingere-se uma maior quantidade de alimentos

A regulação do apetite é um processo complexo do qual há cada vez mais informação. As anomalias nos sistemas que indicam ao corpo quando é preciso deixar de comer, parecem ser parcialmente responsáveis por alguns casos de obesidade.

Quando comemos, a distensão gástrica é um dos primeiros sinais de saciedade. Este sinal é transmitido pelo sistema nervoso vegetativo até ao hipotálamo, centro regulador situado no cérebro.

Se consumirmos muito depressa os alimentos, não damos tempo ao estômago para enviar o sinal de saciedade e, por isso, ingere-se uma maior quantidade. O apetite, como a maioria dos processos do organismo, também está regulado por hormonas.

Uma das primeiras a ser identificada, além da insulina, foi a leptina que se produz no tecido adiposo e tem propriedades supressoras da fome. Mais tarde foi a grelina, conhecida como a "hormona da fome" pela sua função oposta: aumentar o apetite.

Mais hormonas envolvidas

A colecistokinina também é uma hormona da saciedade segregada por células duodenais em resposta à presença de alimentos, sobretudo de gorduras. Crê-se que actua inibindo o esvaziamento gástrico, o que contribui para ter sensação de estar cheio.

O peptidio intestinal YY (PYY), sintetizado na porção distal do trato digestivo e no sistema nervoso central e periférico, é outra das hormonas que intervêm para regular o que comemos.

Descobriu-se mais recentemente que a obestatina, que também regula o peso e a ingestão de alimentos, e a oxintomodulina, segregada por umas células da mucosa do estômago, actua suprimindo o apetite.

O sistema nervoso também desempenha um importante papel no regulamento do apetite. O centro da fome e da saciedade encontra-se no hipotálamo, onde aquelas substâncias actuam.

A sensação de saciedade também parece que, de alguma forma, está geneticamente determinada.

Um estudo efectuado por cientistas britânicos evidenciou que o FTO, um gene relacionado com a obesidade, actua inibindo a sensação de saciedade.

Investigadores do University College e do King's College, de Londres, examinaram 3.337 crianças, entre os 8 e 11 anos, para estudar se os que eram portadores da variante de alto risco do gene tinham o apetite alterado.

Os resultados mostraram que o gene actua sobre o apetite e que as crianças com duas cópias da variante de alto risco tinham mais dificuldade em sentir-se saciados depois de comer.

ACTUAR SOBRE O APETITE

É indubitável que os hábitos alimentares estão a mudar. As sociedades do bem-estar têm à sua disposição grande quantidade de comida, muito elaborada e de fácil preparação.

Dispomos de pouco tempo e a miúdo comemos rapidamente. Cada vez há menos famílias que partilham em conjunto as refeições e mais crianças que o fazem sós em frente da televisão.

Cada vez mais há que enfatizar a importância dos hábitos alimentares como determinante na epidemia da obesidade, destacando a importância de trabalhar para fomentar uma alimentação saudável nas crianças, como comer de forma lenta, em quantidades adequadas e em família.

Estão a ser estudados tratamentos que incorporem substâncias que favoreçam a sensação de saciedade.

O Imperial College de Londres pretende desenvolver um fármaco com uma hormona saciante, o polipéptido pancreático. O objectivo é elaborar um tipo de medicamento que possa administrar-se pela boca para poder introduzi-lo em chiclet.

Outra opção seria administrá-lo através de um inalador nasal. Os primeiros ensaios mostraram resultados satisfatórios: dose moderadas desta hormona podem reduzir entre 15% a 20% a quantidade de comida ingerida.

Provavelmente, comer depressa é um hábito adquirido na infância que poderia modificar-se, mesmo não sendo fácil.

Como comer devagar

Alguns pequenos conselhos podem ajudar a deixar de comer de forma rápida e até não poder mais:

1. Não saltar as refeições e fazer um pequeno intervalo a meio da amanhã ou a meio da tarde. Isto evita chegar à mesa com muita fome.

2. Comer devagar e em ambientes tranquilos, sem distracções, como a televisão.

3. Escolher alimentos que necessitem de mais tempo de mastigação, como saladas e verduras, em vez de purés.

4. Esperar um pouco entre a comida e a sobremesa. Na maioria dos casos, já não se come a sobremesa porque aparece a sensação de saciedade.

TERESA ROMANILLOS




Criado em: 21/11/2008 • 12:37
Actualizado em: 21/11/2008 • 12:54
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Caminante no hay camino, se hace camino al andar.  Antonio Machado
^ Topo ^