Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifCANCIONEIRO de Castelões - Romances - Romance XIII





Mandamentos do grilo

Os mandamentos do grilo
São d'amar e aprender;
Uma carta te escrevi,
Com pena de te não ver.

- Essa carta, meu amor,
Inda me cá num chegou;
Se me queres alguma coisa,
Fala-me que aqui stou.

- Eu bem sei que stás aí,
Sisudinha, bem profeita;
Eu já não vou desta terra,
Sem tu seres minha sujeita.

- Sua sujeita não sou,
Que num é meu pai contente
De eu ficar nesta terra,
Defamada para sempre.

- Ó menina, não s'assuste,
Num é caso d'assustar;
Se eu a meter em fama,
De fama a quero tirar.

- Eu a fama num na temo,
Mas ela me pode vir;
Fale baixo, num acorde
O meu pai que stá dormir.

- Tanto m'importa c'aorde,
Que m'deixe d'acordar;
S'acordar e eu aqui,
Meu sogro hei-de chamar.

- Sogro seu, inda tem tempo,
E também ocasião;
Num preguntei, ó mancebo,
Pela sua geração.

- Minha geração é boa,
É melhor de Portugal;
Somos filhos da Senhora
E ela nos há-de ajudar.

- Ou im labor do Senhor,
Ou da Senhora da Guia,
Diga lá senhor mancebo,
Aqui bem por sua bia.

- Somos filhos da Senhora,
Mais da Senhora da Bia;
Num preguntei à menina
S'aqui bim por sua bia.

- Pela bia que aqui tenho,
Já lhe digo na verdade;
Venho aqui passar tempo,
São coisas da mocidade.

Por sua bia num bim,
A menina bem o sabe;
Venho rir e passar tempo,
São coisas da mocidade.

- Ora compre-me um bestido,
Com tenção de me manter;
Antes qu'ele seja de burel,
De burel o quero trazer.

- De burel num há-de ser,
Que é o trajo dos pastores;
Há-de ser de primavera,
Que é o trajo dos amores.


- Primavera, primavera,
Primavera de mil cores;
Que vale ser de primavera
E dever ós mercadores?

- Pregunta às lojas do Porto
E também às de Lamego;
Perguntós herdeiros todos
Cais é coisa que l'eu debo.

- A resposta stá bem dada,
Ó magano, bem na destes;
Se num sabes o caminho,
Volta por onde viestes.

- O caminho por onde eu vim,
Eu bem no vejo daqui;
Inda spero de labor
Rosa branca ao pé de mim.

- Diga lá quanto l'eu devo,
Já que stá tão persuída;
Eu vou pra donde eu quero,
Ninguém tem nada comigo;
A sujeitar-me a mulheres,
Só se fosse por castigo.

- Já me chamas a castigo,
Depois de star castigada?
Quando eu era um anjo,
Por você me chamava,
Nem tinha tantos defeitos,
Nem era tão desprezada.

- Os tempos também se mudam,
Num há bem que sempre dure;
Num stou prá'turar mulheres,
Quem nas tem que as ature.

- Dizes que não aturas mulheres,
Talvez tenhas que aturar;
E o povo fala de mim,
E agora me vou queixar.

- Queixa-te quando quiseres,
A mim não me dás cuidado;
Descobres a tua vida,
Não tiras bom resultado
E a maior pena qu'eu tenho
É de te num ter defamado.

- Agora queres encobrir
Coisas que num pode ser;
E o povo fala de mim,
E a barriga stá crescer;
Quando meu pai o souber,
Não sei onde m'esconder.

- Esconde-te mesmo em casa,
Que um bom pai tudo esquece;
Por tempo tudo escurece;
Não é a primeira filha,
Que tais trabalhos lh'acontece.

- Num é por um pai qu'eu tenho
Por um homem rigoroso,
Alimado por bons amigos
Antes eu quero morrer,
C'achegar-lhe ós ouvidos.

... ... ... ... ... ... ... ...

Se me num arreceberes
Atiro-me da ponte abaixo.

- Num t'atires da ponte abaixo
Que isso é grande altura;
Do dito para o fazer,
Muda muito de figura.
Num é preciso morrer
De tão alta sepultura.

- Ai cuidas que num no faço?
Sempre t'ás-de enganar;
Deixo escrito nos papéis,
Só a ti hão-de culpar.

- Casemo-nos, amor, casemo-nos;
Já está tudo combinado;
Tens o pai pra dar ao filho,
No dia do baptizado.

E ficou tudo animado.


1947



Criado em: 10/11/2008 • 13:16
Actualizado em: 10/11/2008 • 13:18
Categoria : CANCIONEIRO de Castelões


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Em teoria, não há diferença entre teoria e prática. Na prática, há.  Yogi Berra
^ Topo ^