Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifCANCIONEIRO de Castelões - Romances - Romance XII





Ó filha tu que tens
Que andas tão descorada?
Há coisa de três meses,
Trazes a barriga inchada?!

- Ó papá, ando doente,
É toda a minha tristeza;
A doença tira a cor
E a vontade de ir para a mesa.

- Para onde vai a Marajana
Pela manhã de geada
Co su cabelo envolto
Sua face desnudada?
Parece-me Marajana
Que tu andarás pejada!

- Não é disso, meu pai, não,
É da saia mal talhada.
Mandou chamar dois mestres
daqueles que mais amava;
Olhava um para o outro:
Esta saia não tem nada.

- Parece Marajana
Que tu irás a queimar!
- Não se me dá que me queime
Nem que me faça outro mal;
Queixo-me de meu ventre,
Traigo cá sangue real.

Foi para a janela
E se prantou a chorar;
Quem me dera um paquete,
Um paquete devagar;
Se me levasse esta carta
Ó conde de Montalvar.

Passou uma velha por baixo,
Neste repente a brincar;
- Bote-ma daí abaixo
Qu'eu a lá irei levar.
Quero ca senhora diga
Como l'eu hei-de falar.

- Se o achar a dormir?
- Spere qu'ele há-de acordar!

- S'ele stiver a jantar?
- Spere qu'ele há-de acabar.

- Se o achar a passear?
- Melhor lhe pode falar.

Ele andava a passear.

Aqui tem senhor Dom Conde
Uma carta de pesar
Que a senhora Marajana
Certo vai a queimar.

- Se me diz isso deveras
Mando-lhe já dar de jintar;
Se me diz a mangar,
Mando-a já degolar.

E foi prá porta da igreja
Onde ela havia de passar
E deitou-lhe a mão:
E esta moça que aqui vai
Inda vai pra confessar,
Eu sou o padre franciscano
Que a quero confessar;
Quem quiser a Marajana,
Da mão a benha tirar.


De Albertina Rosa, a "Tamanqueira" - Abril de 1947


Criado em: 10/11/2008 • 12:36
Actualizado em: 10/11/2008 • 12:36
Categoria : CANCIONEIRO de Castelões


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original  Albert Einstein
^ Topo ^