Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifCANCIONEIRO de Castelões - Romances - Romance X





No dia vinte e cinco de Maio,
Um sucesso aconteceu;
Um filho matou uma mãe
Que o retirava de andar na má vida.

Namorava uma donzela
Que se chamava Emília.

- Venho aqui Emilía,
Com tenções de te deixar,
Que minha mãe não quer
Ver-me contigo casar.

- Eu te peço, Antoninho,
C'a tua mãe vás matar;
Pega lá esse punhal
No coração o vai espetar.

- Levante-se, ó mulher,
Diga o acto de contrição
Que eu agora vou travar
Mulher, o seu coração.

- Tu que dizes, ó meu filho,
A uma mãe que te criou,
Que até aos nove meses
Tantos trabalhos passou?

- Num se m'importa o que passou
Nem o que tem pra passar,
Levante-se, ó mulher,
Seu coração vou travar.

E matou-a.


De Albertina Rosa, a "Tamanqueira", Abril de 1947


Criado em: 08/11/2008 • 12:22
Actualizado em: 08/11/2008 • 12:24
Categoria : CANCIONEIRO de Castelões


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  As oportunidades surgem sob o disfarce de tarefas árduas e a maioria das pessoas não as reconhece  Ann Landers
^ Topo ^