Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifCANCIONEIRO de Castelões - Romances - Romance V

No Romance de Sta Iria encontra-se uma parte de mistura com o Romance do Cego.

Encontra-se nas Viagens na Minha Terra (Almeida Garrett T-II, pág. 38 a 40, 5ª edição, Lisboa, Imprensa Nacional, 1870, in 8.º).

Encontra-se em o Douro Litoral V a págs. 30, 31, 1942 - Cancioneiro de Monte Córdova, intitulado Helena a Fidalga e é acompanhada de música.

Segundo informa Douro Litoral, este romance também pode ver-se em Turquel Folclórico de José Diogo Ribeiro III, Esposende, 1932. e nas tradições populares de Sto Tirso A. C. Pires de Lima sep. da Revista Lusitana - XVIII, XX e XXI.

Encontra-se também a pág. 38, em Teófilo Braga, Estudos da Edade Média, Porto, Livraria Internacional de Ernesto Cherdron, 1870, in 8.º





'Stando eu a coser
Na minha almofada,
Minha agulha de ouro,
Meu dedal de prata.

Bem um passageiro
E pediu pousada;
Se meu pai la der,
'Stá muito bem dada,
Deu-la minha mãe
Por ser confiada.

- Ó Iria pega na roca e no linho
E vai inxinar (1) este passageiro o caminho.

- Já lá vai a roca,
Já lá vai o linho;
Adiante cego
Aí vai o caminho.

- Perdoa-me Iria
Por ser o amor promeiro (2)

- Como te hei-de perdoar,
O ladrão escarniceiro,
Que da minha garganta
Fazeste carreiro?

1947

(1) ensinar
(2) primeiro


Criado em: 08/11/2008 • 09:33
Actualizado em: 08/11/2008 • 09:33
Categoria : CANCIONEIRO de Castelões


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Na prosperidade, os nossos amigos conhecem-nos; na adversidade, conhecemos os nossos amigos.  Collins
^ Topo ^