Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifCANCIONEIRO de Castelões - Romances - Romance III



Antoninho vai pra'scola
Vai acabar de aprender;
Ó papá, não vou, não vou,
Pois eu sei que vou morrer.

Antoninho vai pra'scola,
Que é preciso aprender;
Ó papá, eu vou, eu vou,
Mas eu sei que vou morrer.

Onze horas, meio dia,
São horas d'ir ó recreio;
Vamos ver o Antoninho
Que 'stá na sala do meio.

Chegou pela porta dentro:
O professor perguntou o que ele tinha;
Tirou o punho do bolso
E atestou no coração.

Venha cá o senhor mestre
Pra pagar-lhe o papagaio;
Diz-lhe então o professor:
Isto prá amigos não é nada,
Diga lá ó Antoninho
Qu'inda tem a mesma entrada.

Vem-nos meninos da aula,
Onde ficou Antoninho?
Ficou na casa dos livros
Morto como um passarinho.

Vindo os meninos da escola
Papá não viu Antoninho:
Antoninho 'stá na sala dos livros
Morto como um passarinho.

Abram portas e janelas
Antoninho quero ver
Quero-lhe beijar o rosto
Antes da terra o comer.


Setembro de 1947


Criado em: 08/11/2008 • 09:09
Actualizado em: 08/11/2008 • 09:11
Categoria : CANCIONEIRO de Castelões


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Prometem em poesia. Governam em prosa.  Mario Cuomo
^ Topo ^