Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifCANCIONEIRO de Castelões - Romances - O Romance do Cego

O Romance do "Cego" que coligi encontra-se com pouca diferença no Romanceiro de Almeida Garrett (III Romances Cavalheirescos Antigos, 3ª edição, Lisboa, 1875, pág. 193).

Encontra-se também em o "Douro Litoral V" numa versão de Monte Córdova, a pág. 29, 30, acompanhado de música, no ano de 1942.

Informa o "Douro Litoral" que este romance aparece em A. C. Pires de Lima, Trad. Populares de Sto Tirso, sep. da Revista Lusitana, vol. XVIII e pág. 59 e seg. da Revista Lusitana, anos XX e XXI, pág. 44, e que se encontra em Tomaz Pires, Miscelânea Folclórica in Rev. do Minho, em XV, pág. 222 (1900) e que é intitulado por "Cego de Amor" e assim conhecido em Elvas.

Tal como o ouviram meus ouvidos, ei-lo!


I



- 'Corde minha mãe,
'Corde de dormir;
Ouvirá o cego
Cantar e pedir.

- Se ele canta e pede,
Dá-lhe pão e vinho;

- Não quero o seu pão,
Nem quero o seu vinho,
Quero c'a menina
Me ensine o caminho.

- Pega minha filha
Em roca e linho,
E vai ensinar
Ó triste cego, o caminho.

- Já sfiei a roca,
Já stafei o linho;
Adiante cego,
Siga meu caminho.

- Sou curto da vista,
Eu num vejo bem;
Venha aqui, menina,
Venha mais além.

- Ó valha-me Deus
E a Virgem Maria!
Nunca vi um cego de cavalaria.

- De Condes e Duques
Eu fui pretendida,
Agora dum cego
Me nego vencida.

Adeus minha casa,
Adeus minha terra,
Adeus minha mãe
Que tão falsa me era.

1947

Variante A



... ... ... ... ... ... ... ...
... ... ... ... ... ... ... ...

- Pega minha filha,
Pega em roca e linho
E ao triste cego,
Ensina o caminho.

- Já sfiei minha roca,
Já fiei meu linho;
Agora triste cego
Siga seu caminho.

- Sou curto da vista
E não vejo bem;
Quero que a menina
Venha mais além.

- De Condes e Duques
Eu fui pretendida
E dum triste cego
Me vejo vencida.

Adeus minhas casas,
Adeus minhas moças;
Adeus minha mãe
Que tão falas me fostes.

Adeus minha casa,
Adeus minha terra,
Adeus minha mãe
Que tão fals me era.


Variante B



... ... ... ... ... ... ... ...
... ... ... ... ... ... ... ...


- Já sfiei a roca,
Já stafei o linho,
Adiante cego
Siga seu caminho.

- Sou curto de vista
Ou num vejo bem,
Benha aqui menina,
Até mais além.

- Estou im ananga (1)
Pra me deitar

- Se stá im ananga
Mesmo assim na quero
Ela é de meu jeito
Assim a venero.

(1) Ananga - distorção de anágua que significa lingerie, camisa de noite.


Criado em: 08/11/2008 • 08:04
Actualizado em: 08/11/2008 • 08:27
Categoria : CANCIONEIRO de Castelões


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°1 

josefu 27/11/2009 • 09:54

Bem aventurados os que também distribuem a sabedoria, o conhecimento.tongue

  O importante não é viver, mas viver com dignidade  Sócrates
^ Topo ^