Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifCANCIONEIRO de Castelões - Cancioneiro de Castelões - Duas palavras

Estamos em 1947. O então estudante e seminarista José António Martins de Pinho Júnior registava para a posteridade o que sabia vir a desaparecer com o passar dos anos: a cultura pura e crua do sítio onde nasceu, Castelões de Vale de Cambra.

Recolheu-a da boca dos mais idosos, ouviu-a nas danças e cantares, nas práticas religiosas e pagãs, por todo o lado onde pudesse chegar.

Sabemos hoje como se talhava o tresorelho (cura da papeira atribuída ao efeito de uma lenga-lenga dita ao paciente a quem era colocada uma canga de bois), sabemos hoje como se saudavam as pessoas noutros tempos, como oravam, que brejeirices alegravam o dia a dia, que histórias e poesias se passavam de geração em geração.

O resultado de todo este trabalho de recolhas populares, feito ao longo dos anos, está registado em três volumes manuscritos que aqui começamos a divulgar.




Duas palavras

Comecei a gostar de poesia. Ouvia cantar no campo, à erva, nas ceifas, nas desfolhadas, nas danças, nas levas do leite à fábrica e não sei porquê, lembrei-me recolher o que andava esbanjado com riscos de se perder.

Observei que o Folclore tendia a desaparecer, ou melhor direi, a render-se por outro mais industrializado, influenciado pelos discos musicais, revistas hodiernas e, em suma, pelo modernismo. Não é sem pesar que lamento nos jovens o esquecimento e o não ensino das orações antigas auscultadas aos velhinhos.

Eu mesmo me dei ao cuidado de compilar algumas, aliás com bastante dificuldade, porque essas venerandas pessoas aterrorizavam-se e diziam não saber falar connosco.

Isto é para constar ao leitor com o que o investigador por vezes enfrenta.

Nesta colectânea que chamo Cancioneiro, agrupei o modo de salvar, "o salvar é cortesia, a glória Deus a dá", para mostrar como a gente da freguesia de Castelões de Vale de Cambra, ainda conserva os bons hábitos; ordenei alguns romances pela ordem alfabética, segundo a palavra do primeiro verso de cada; fados e poesia vária - assunto de amor, de descantes, de dança-cantando, das cantadas à noite nas desfolhadas e nas levas do leite à fábrica da empresa Martins & Rebelo.

Julgo que a maior parte das poesias são oriundas do povo dentre os poetas anónimos.

A propósito do romance de Sta Iria, escreveu Garrett (Viagens na Minha Terra, t-II pg 50, Lisboa, Imprensa Nacional, 1870) que "a extrema simplicidade do romance ou xácara de Sta Iria, o ser ele dentre todos os que andam na memória do nosso povo, o mais geralmente sabido e mais uniformemente repetido em todos os distritos do reino, e com poucas variantes nas palavras, nenhuma no contexto, lhe fazia com que fosse das mais antigas composições não só da nossa língua mas de toda a península; e que visivelmente nascera nos arraiais, nos oragos dos campos e por lá vivera até agora."

Efectivamente viveu até esta data e é de crer que continuará; o mesmo se dirá dos seguintes que adiante apresento.

Quanto ao romance do cego, Garrett quer ver nele origem escocesa. Seja como for - o seu quê essencialmente popular e o seu assenhoramento - especificam-no de carácter romanesco bem popular.

Haverá poesias que assimiladas de folhetim de cordel e de poetas celebrados se popularizaram e hoje pela posse é desconhecido o autor; com isso, no entanto, não haverá mal algum, porque o povo, melhor direi, os poetas do povo, ou o povo poeta, saberá cultivá-las, deixando-as na forma e conteúdo primitivos; ou retocando-as, saberão burilá-las com mais fino gosto, conservando-lhes ainda o conteúdo.

Dada com verdade a origem popular, a poesia depois do grande insuflador, o vinho, tem ela a máxima inspiração, mais fértil em quantidade e beleza de versos - no amor.

Amor puro, leal e franco; amor desprendido, abnegado, todo entregue ao objecto amado.

Mas... e aqui apresento o mas, ainda que não simpatize com o seu emprego, nem sempre a poesia canta o seu amor imaculado que costuma e deve levar as virgens ao arco da igreja ornadas de cravos brancos para ofertar à Senhora.

Por vezes, dentro da poesia amorosa, trata-se de declarações amorosas, de aventuras galantes, invejas, alegrias em que o verso transluz maior ou menor grau de receio, temor e até malícia.

Assim acontece que este receio deixa infiltrar-se de certo pessimismo como nesta quadra em que:

Não se conhece no rosto
O que uma alma inspira;
O mundo é gosto, desgosto,
Mentira, tudo mentira.


Algumas quadras exprimem o desejo de bem-estar do namorado, na vida militar, inspirando heróica coragem ao dever, fortaleza para a guerra e que o "casar ainda tem tempo".

É o espelho do "espírito lusitano, bem vincado no castelonense, de espírito castrense bebido pelos antepassados aqui junto na cidade moura, onde hoje está levantada a Capelinha da Senhora do Monte Crasto" (sita na freguesia de Ossela, confinante e que pertence ao concelho de Oliveira de Azeméis).

Outras quadras, recorrendo à Virgem Nossa Senhora, suplicam-lhe o livramento do namorado da vida de soldado, denotando saudosismo, certo confrangimento por ver o amado ausente e por desventura mais sofredor.

Algumas ocupam-se tão somente da vida simples do amanho das terras, das segas, etc, manifestando a beleza da sua terra como esta que diz que:

Os ares da minha terra,
Por serem ares da serra,
Dão saúde e alegria;
E por isso a sua gente
É sadia, é contente,
Prazenteira, reinadia!


Com as poesias compilei algumas palavras que acompanham os jogos das crianças, verdadeiras cantilenas que são acompanhadas de actos; tal é o réquemintim.

Alguns elementos que adquiri e não pertencem à freguesia de Castelões, a seu tempo os indicarei.

Lamento não pouco, a ausência da música - seria quiçá a parte essencial, a alma desta colectânea para acompanhar as modas das danças, canções, etc., tão simples, modestas e regionais.

Por aqui me fico pois com arquivar e dar a conhecer o que voga nas bocas simples de Castelões de Vale de Cambra.

Dia de N. Senhora da Conceição
8 de Dezembro de 1947


______________
Nota - Interdita a reprodução destes conteúdos sem a prévia autorização expressa do autor


Criado em: 07/11/2008 • 12:00
Actualizado em: 08/11/2008 • 08:07
Categoria : CANCIONEIRO de Castelões


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°3 

Resposta 20/01/2013 • 16:14

Os três livros manuscritos estão já em adiantada fase de transcrição. Seguir-se-á a publicação. Não há ainda data prevista mas será tão breve quanto possível sendo então divulgado o lançamento da obra.
JMRuas

Comentário n°2 

MMCorreia 20/01/2013 • 16:02

Boa tarde. Bom domingo.Gostaria de saber se por acaso se encontra em venda, em formato livro de imprensa, estes volumes.Vivi em Vale de Cambra muito tempo, na freguesia de Castelões, e por isso, sentimentalmente, sinto-me muito ligado e esta linda (agora) cidade de Vale de Cambra, bem como todo o seu território abrangente.Estudei e trabalhei aí, por isso estou vivamente interessado em saber se posso adquirir estas obras (cópias como é lógico-não os originais!), pois esta cultura interessa-me por muitos motivos.Obrigado antecipadamente por qualquer resposta.
Atentamente
MMCorreia

Comentário n°1 

Antonio Pires 26/01/2009 • 23:31

gostava de encontrar a musica que tem como refrão

afinfa-lhe uma assopradela


  Beijar é cultura; só assim se conhece várias línguas  Anónimo
^ Topo ^