Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Há um pouco de fenício em cada um de nós

Um em cada 17 homens da bacia do Mediterrâneo tem um fenício como antepassado na sua linha paterna directa.

Os fenícios além de nos terem deixado o alfabeto e o amor pela cor púrpura, deixaram-nos também uma herança genética.

O Genographic Project (criado em 2005 pela National Geographic e IBM) veio mostrar isso mesmo através de um novo método analítico para detectar impactos genéticos subtis das migrações históricas humanas. O primeiro trabalho revelou o legado genético dos fenícios.

Os fenícios foram um povo misterioso que criou um vasto império económico e comercial no Mediterrâneo entre os anos 1550 AC e 330 AC. Ainda que se desconheça a sua verdadeira origem, crê-se que são oriundos da zona que hoje conhecemos como Líbano.

Expandiram-se por todo o Mediterrâneo fundando colónias que incluíam lugares tão remotos como o litoral espanhol além do estreito de Gibraltar. O primeiro sistema capitalista global controlou o comércio no Mediterrâneo durante cerca de 1000 anos até que os fenícios foram "corridos" por gregos e romanos.

Os fenícios organizavam-se em cidades-estado, mas reconheciam-se entre si como uma etnia e falavam um idioma comum. O fenício era uma língua semítica e a escrita utilizava um alfabeto próprio.

A este alfabeto devemos o alfabeto grego, hebraico e latino. O povo fenício contribuiu para criar um importante vínculo entre as civilizações mediterrâneas. No entanto, pouco se sabe delas.

Mesmo não dispondo de informação genética sobre este povo, o Projecto que realizou o estudo dispunha de informação histórica. Sabia-se que os fenícios eram nómadas e isto foi suficiente, juntamente com as modernas técnicas genéticas, para seguir o rasto deste povo.

O método de análise baseou-se na busca de sinais genéticos no cromossoma E dos homens de hoje (cromossoma que só se transmite por via paterna) em regiões nas quais se sabe que os fenícios viveram no passado.

O método revelou linhagens genéticas que partilhavam elementos comuns precisamente em colónias fenícias históricas, como no litoral do Líbano, Itália, Tunísia ou Espanha.

Tendo em conta estas linhagens os investigadores calculam que a contribuição genética fenícia é tal que pelo menos 6% dos homens das povoações modernas do Mediterrâneo têm antepassados fenícios directos.

O projecto está aberto ao público e quem desejar pode participar nele doando a sua própria informação genética. O kit de participação pode adquirir-se através do site: https://www3.nationalgeographic.com/genographic/lan/es/

O dinheiro obtido será utilizado em projectos culturais e na revitalização linguística de comunidades indígenas.


Fonte: National Geographic



Criado em: 06/11/2008 • 08:39
Actualizado em: 06/11/2008 • 08:39
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Crescer por crescer é a ideologia da célula cancerígena  Edward Abbey
^ Topo ^