Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - O medo à morte é um medo ao Nada

Capa do último livro de Julian Barnes
“Não acredito em Deus, mas sinto-Lhe a falta”. Começa assim o último livro do romancista britânico Julian Barnes, autor de obras como Amor, etc. ou Arthur & George.

Nele, o escritor, que até hoje se considera agnóstico mas que antes foi ateu, decidiu enfrentar o medo da morte perguntando-se: como pode um agnóstico temer a morte se não acredita que haja uma vida depois desta? Como se pode ter medo do Nada?

A partir destas perguntas, que o jornal The New York Times publicou, Barnes elaborou uma elegante memória da sua vida e uma meditação sobre Deus e a tanatofobia, que não deixa ninguém indiferente.

Sob o título “Nothing to be frightened of” (Nada a recear), a obra é um percurso pela vida familiar, uma troca de ideias com o seu irmão (o filósofo Jonathan Barnes, uma reflexão sobre a mortalidade e o medo da morte, uma comemoração da arte, uma dissertação sobre Deus e uma homenagem a outro escritor, o francês Jules Renard.

Desassossego e tanatofobia

Barnes, que sofre de tanatofobia (medo da morte persistente, anormal e injustificado), pensa diariamente na sua morte ou imagina-se em situações em que morreria, como apanhado entre as mandíbulas de um crocodilo ou num navio que se afunda.

A morte cria-lhe um grande desassossego: teme a diminuição da energia, que a fonte seque, que se desvaneça a luz. “Olho em redor, as minhas amizades, e posso ver que a maioria delas já não são amizades mas, pelo contrário, a lembrança da amizade que tivemos”.

Barnes, que viveu a velhice dos seus pais e a sua morte, escreve também que “apesar de na vida nos libertarmos dos pais, eles parecem reclamar-nos na morte”.

Mas, para o escritor, a fé religiosa não é uma opção para todo este desassossego e diz “não tenho fé a perder… Nunca fui baptizado nem frequentei a catequese aos domingos. Nunca fui à missa… e entro constantemente nas igrejas só por razões arquitectónicas”.

Religião moderna

Para Barnes, a religião cristã perdurou unicamente porque é “uma bela mentira… uma tragédia com um final feliz”. Mas as alternativas modernas à fé cristã também não o confortam.

O autor fala, por exemplo, das terapias como formas contemporâneas de religião. Delas diz: “o céu secular moderno da auto-realização, do desenvolvimento da personalidade, das relações que nos ajudem a definir-nos, de um trabalho com certo status… o acumular de aventuras sexuais, de idas ao ginásio, de consumo de cultura. Tudo isto nos aproxima da felicidade, não é verdade? Este é o mito em que queremos acreditar”.

Barnes só encontra consolo na ciência, que diz: todos estamos a morrer. Até o sol. O homo sapiens está a evoluir para novas espécies às quais não importa quem fomos, nem qual foi a nossa arte ou a nossa literatura. Qualquer saber cairá no completo esquecimento. Cada autor chegará a converter-se num autor não-lido.

Definitivamente, diz Barnes, as pessoas podem temer a sua própria morte mas, na verdade, o que somos? Simplesmente um conjunto de neurónios. O cérebro não é mais que carne e a alma é, simplesmente, “um relato que o cérebro conta a si mesmo”.

Entrar e sair

Quanto à individualidade, esta não é mais que uma ilusão. Os cientistas nem sequer encontraram evidências da existência do “eu”, assinala Barnes, que é algo que dizemos a nós mesmos. Não criamos pensamentos, mas os pensamentos criam-nos a nós próprios. O “eu” que tanto amamos, só existe na gramática.

Barnes afirma, por outro lado, que não existe separação alguma entre “nós” e o universo. Somos só matéria, unidades de “obediência genética”. A sabedoria, segundo ele, consistiria em assumir isto e em “não pretender mais nada, em descartar o artifício…” Da mesma forma que os artistas, quando atingem a maturidade, ficam com a simplicidade.

Assim entra o autor na idade adulta, com estas reflexões sobre a mortalidade humana e a maneira de a enfrentar, conversando com os leitores sobre o medo mais universal, segundo o Washington Post.

“A morte é para mim o único aspecto espantoso que define a vida. A menos que não estejamos completamente conscientes dela, não é possível chegar a compreender em que consiste a vida, a menos que se saiba e se sinta que os dias de vinho e rosas são limitados, que o vinho azedará e as rosas murcharão na sua água pestilenta antes de tudo ser abandonado para sempre, não haverá contexto para que estes prazeres e curiosidades nos acompanhem no caminho para o cemitério”.

Enfrentar a realidade da morte é tão impactante, que Barnes assegura invejar as pessoas que o fazem com fé. Certamente, aqueles que desfrutam do dom da fé religiosa contam com uma vantagem face aos que a não têm. O crente moribundo atravessará uma porta de entrada, enquanto que o resto dos mortais verão na morte só uma porta de saída.

Yaiza Martínez




Criado em: 29/10/2008 • 11:58
Actualizado em: 29/10/2008 • 11:58
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Nunca discutas com um idiota. Ele arrasta-te até ao nível dele... e depois ganha-te em experiência.  
^ Topo ^