Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Adolescência - frases que é melhor não dizer

Se quer que o diálogo com o seu filho adolescente dure mais de um segundo, aprenda a engolir as seguintes frases.

Quando eu tinha a tua idade…

Nada do que diga depois disto será escutado pelo filho adolescente. Ele mentalmente dirá: “Os meus pais não têm ideia que o mundo mudou”. Como explica o advogado e orientador Antonio Monserrat, hoje os nossos filhos não só se confrontam com o clássico “conflito de gerações” como observam que o “seu” mundo actual não tem nada a ver com o “nosso” mundo actual.

“O mundo dos jovens, com os seus valores jovens, com a sua moda jovem, o vocabulário especial, os horários nocturnos, as motos, os piercing, etc., segue numa direcção. O mundo dos adultos noutra, de forma paralela e não se chegam nunca a encontrar, porque os adultos também têm as suas convenções, o seu vocabulário, os seus valores, as suas canções, a sua música”.

Quando fores mais crescido, vais entender...

É certo que com os anos se adquire sabedoria. No entanto, para o adolescente esta frase soa como uma tremenda desqualificação e além disso numa área que para eles é fundamental: a sua capacidade de “entender o mundo”.

O pediatra Álvaro Sierra explica: “Todos os adolescentes, por levianos que os achemos, são sumamente reflexivos, porque ao passar da infância para a adolescência confrontaram-se subitamente com a sua intimidade”.

Prova disso, acrescenta este pediatra colombiano, autor de numerosos livros, é que “qualquer adulto que alimente uma discussão com o seu filho adolescente comprovará que este tem uma grande capacidade de conceitualização.

Eu aconselho sempre os pais a não competirem com os filhos em matéria de ginástica mental, porque é algo onde perdem sempre. O adolescente tem os neurónios novos”.

Por favor, decide-te de uma vez!

O sentido do tempo para os adolescentes é radicalmente diferente do dos adultos. Por isso enquanto os vemos muito “lentos” para sair de casa de manhã ou para se decidirem por umas calças numa loja, aborrecem-nos as suas “urgências” do tipo: “Preciso já do vestido que vou usar daqui a dois meses”.

Antonio Montserrat explica: “A etapa da adolescência está caracterizada pela instabilidade, especialmente emocional. Por um conflito permanente do adolescente, em primeiro lugar, consigo mesmo e em segundo lugar, com o ambiente, que até esse momento lhe era tradicional”.

A sua dificuldade em decidir-se perante várias opções tem a sua razão de ser porque está todo o tempo a resolver conflitos. Então, um conselho para os pais: Não os apressem!

Se fazes isso mais uma vez...

A teoria diz que esta frase, em qualquer idade, só deve ser pronunciada se se tem a certeza de poder cumprir a ameaça. Caso contrário, repetir a cada momento “vou proibir-te de ver televisão todo o ano” só serve para se descredibilizar perante os filhos.

Mas além disso, Antonio Montserrat há ver que “a educação de muitos pais para com os filhos adolescentes baseia-se no advérbio “não”. Não faças isto!, não chegues atrasado!... Que eficácia pode ter para os adolescentes uma educação baseada no não, quando o seu coração lhe pede um sim?”.

És um inútil, não serves para nada…

“Diz-se que a infância é um período de organização, a adolescência de desorganização e a maturidade de reorganização”, afirma Antonio Montserrat e acrescenta: “Essa desorganização permanente do adolescente corresponde a um período normal e temos de estar prevenidos porque isso acontecerá pela certa e se não acontecer, é mau sinal”.

Em relação às desqualificações, assinala: “É preciso abrir-lhes horizontes, não estreitá-los nem fechá-los. É preciso dar-lhes saídas grandiosas, porque a adolescência é a época do surgir das vocações profissionais, das grandes entregas; das vocações religiosas, do amor pela investigação, do desenvolvimento intelectual.

Tudo isso é preciso fomentar, não os fechando cada vez mais em coisas que muitíssimas vezes não têm a mais ínfima importância, como ter o cabelo comprido ou curto…”

Não posso acreditar! Como pudeste fazer isso?

“O adolescente necessita que os pais sejam capazes de ouvir uma confidência sem os recriminar”, afirma o pediatra Álvaro Sierra. “Se em vez de lhe dizer: “Porque fizeste isso? Que nabo que tu és...!”, se um pai se puser a ouvir, ouvir, ouvir, com um sorriso nos lábios mesmo que interiormente queira matá-lo, estrangulá-lo…, acredite, isto produzirá maravilhosas consequências no futuro. Porque a partir desse momento o pai já é um confidente.

A adolescência é uma etapa em que os pais devem entender que já não é tempo de sermão, mas tempo de conselhos. Mas para alcançar a confidência é preciso falar pouco e ouvir muito”.

Eu sei, porque te conheço melhor que ninguém.

Acontece precisamente o contrário: o adolescente sente que os pais não o conhecem nada. Esta sensação baseia-se num facto real: ele actua de forma diferente fora de casa.

Álvaro Sierra conta: “Acontece com os meus próprios filhos que em casa são como um ouriço-cacheiro, não há por onde pegá-los. E na rua dizem-me: que simpático é o teu rapaz! E como diziam as nossas avós: são “luz da rua e escuridão da casa”.

Mas isto é assim, tem que ser assim, assegura este pediatra, porque o adolescente tem um tremendo desejo de socialização “fora” de casa como um modo de crescer e afastar-se da infância.

Não gosto desse teu amigo...

“Os pais dizem com muita frequência esta frase - explica Álvaro Sierra - porque sabem pouco de estratégia de guerra e esquecem que os adolescentes têm solidariedade de grupo.

Se for contra um, todos à uma se vão contra si. Se diz mal a um adolescente do seu amigo, passou a ter dois inimigos, o filho e o amigo do filho”. Quando vemos que um amigo não convém, o indicado é orientar a conversa em termos de como ajudar esse amigo, avaliando que o nosso o defenda.

“A lealdade está para a amizade como a fidelidade está para a relação conjugal: um passo prévio”, diz.




Criado em: 02/09/2008 • 12:20
Actualizado em: 02/09/2008 • 15:38
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°3 

vandir 17/04/2013 • 17:31

é bom saber. Tudo muda. O novo fica velho. Sempre haver mais novos ou mais velhos que nós.

Comentário n°2 

rafaela 02/05/2011 • 21:28

o editor esta de parabéns!! eu tirei até algumas experiencia sobre isso.n


Comentário n°1 

Thomaz 01/07/2009 • 18:16

Quero dar parbéns ao editor(a) desse artigo pois isso demontra que ainda se lembra como é a adolescencia, com todos seus questionamentos e reflexões na transição para a independencia familiar.

Aviso: Sou adolescente    


  Muitas pessoas não chegam aos 80 anos porque tentam durante demasiado tempo ficar nos 40  Salvador Dalí
^ Topo ^