Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - O valor do sagrado

No outro dia vi por acaso na televisão os dez últimos minutos de Kundun, o filme que o grande Martin Scorsese fez sobre o Dalai Lama em 1997. Creio lembrar que, na altura, o filme recebeu uma forte crítica; esses minutos finais, os únicos que conheço da fita, pareceram-me comoventes.

Tinham algo muito belo e hipnotizante e constituíam uma raridade cinematográfica. Lembravam mais uma oração, um poema visual ao sagrado, que um filme convencional.

Talvez todo um filme assim, se é que o resto é assim, resulte excessivo, e daí as críticas. Ou talvez Scorsese se enfrentasse num duplo dogmatismo: por um lado, o de uma certa esquerda maoísta, muito mais destemperada há dez anos, que detesta o Dalai pela sua oposição à invasora a China; e, por outro, o daqueles racionalistas tão extremados que não podem suportar nada que tenha que ver com o espiritual.

Eu não sou crente. Não me entra um Deus na cabeça e muito menos se pensamos em deuses antropomórficos. Na verdade, não sou capaz de aceitar intelectualmente algo assim: vejo-o como acreditar em fadas.

Além disso a história demonstra que as hierarquias das diversas religiões costumam abusar do seu poder e cometer todo o tipo de tropelias; desse ponto de vista sou bastante anticlerical, e penso que, com efeito, a religião pode ser usada como o ópio do povo.

Claro que há muitos outros opiáceos: o dogmatismo marxista, por exemplo, também adormeceu e embruteceu as massas. O problema, na verdade, é o fanatismo. Isso é o que lamina os neurónios.

Mas o facto de não acreditar em nenhuma divindade não implica que não seja capaz de escutar o latido do mistério da existência.

A vida é um enigma colossal e os seres humanos, fechados na minúcia da sua individualidade, sentem-se esmagados e enfeitiçados pela enormidade do que nunca conhecerão. E essa enormidade é o sagrado.

Ou seja, uma realidade que nos transcende, que é muitíssimo maior que a nossa pequena vida e a nossa pequena morte. Não podemos suportar a ideia de morrer, sempre tão cedo, sempre tão insensatamente e tentamos ir à frente do nosso curto tempo e da nossa ignorância.

Dessa ânsia de perdurar e entender nascem as religiões, e também as obras de arte, as sinfonias, as novelas, a teoria da relatividade, a física quântica, a fenomenologia, a observação dos planetas na gelada e escura imensidade do cosmos.

Não acho que haja nos humanos mais um sentimento estendido, mais básico e primário que o do impulso espiritual, que é essa necessidade de sair de nós mesmos, de unir-nos ao resto dos humanos, de dar sentido de algum modo ao sem-sentido da existência, de ver-nos fazer parte de um marco maior que nos console da nossa insuportável pequenez.

Já digo, é um rasgo primordial nas pessoas e muitos dos que aparentemente rejeitam tudo o que tenha a ver com "o espiritual" não se dão conta de até que ponto também estão a ser mobilizados por esse sentimento.

O marxismo, por exemplo, é outra das respostas a essa necessidade humana de transcendência; e quando um esquerdista fervorosamente materialista se comove vendo uma manifestação de marxistas de punho erguido, está a experimentar uma emoção religiosa, de religare, unir, ao sentir-se irmanado com os outros seres do planeta num projecto colossal, no sonho da construção de um paraíso na Terra. Isso, por muito que lhe desgoste a palavra, é uma comoção puramente espiritual.

Todos, crentes ou não, ricos ou pobres, intelectuais ou analfabetos, temos essa capacidade para nos sentirmos tocados pela asa obscura do sagrado. Isto é, pela conturbação e pela beleza do mistério essencial.

Os japoneses chamam-lhe satori, os psicanalistas falam de momentos oceânicos. Pode acontecer num entardecer tranquilo e belo, ou talvez, como a mim me aconteceu uma vez, ao olhar nos olhos aterradoramente humanos de um gorila. Você sabe do que falo: desse instante em que tudo parece encaixar e você sente fazer parte do mundo, do tempo, do tudo. E a vida palpita dentro de nós, monumental e quieta.

Rosa Montero



Criado em: 24/11/2007 • 00:37
Actualizado em: 24/11/2007 • 00:41
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Há duas palavras que abrem muitas portas: puxe e empurre.  Anónimo
^ Topo ^