Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
Pesquisa JURISprudência

hera.pngPesquisa de TODA a jurisprudência nacional e comunitária (publicada na net),
incluindo o DRe
 
 
Ajuda

Um artigo ao acaso: ARTIGOS DE FUNDO - Querer é poder

Quando era pequena a minha avó repetia-me “querer é poder”. Aquilo punha-me furiosa porque dava-me a impressão que não compreendia as minhas dificuldades para conseguir algumas coisas e que não via os obstáculos que se atravessavam no meu caminho.

Com o tempo e algumas leituras, tive que admitir que aquela doce mulher que mal tinha andado na escola, com a sua rica sabedoria popular, tinha-se antecipado às conclusões das investigações neurocientíficas do novo milénio e ao mesmo tempo, estava a descrever os princípios básicos de uma tradição filosófico-espiritual que nem sequer sabia que existia, o budismo.

A lição profunda que a minha avó me transmitia era que cada um de nós pode, se quiser, transformar-se a si mesmo e, por extensão, a sua realidade.

Do mesmo modo, há séculos os budistas sustentam que temos a capacidade de transformar a dor em sabedoria, a inveja em compaixão, a angústia em esperança; que temos na nossa mão a possibilidade de apagar as feridas do passado e esculpir um futuro. Podemos aprender a ser felizes e plenos.

Nos reinos da ciência, no entanto, sempre se tinha pensado o contrário. O cérebro, comandante supremo do nosso comportamento e sentir, é inamovível, diziam.

Não só não é possível mudar, acrescentavam, como também perdemos neurónios ao longo da vida que nunca mais se voltam a recuperar.

Fatalidade irreal

Mas a investigação neurocientífica dos últimos anos demonstrou que semelhante fatalidade não é real. Bem pelo contrário. E eis que a ciência demonstra os princípios do budismo: com a intenção, com a vontade, com o desejo, muda-se a arquitectura cerebral.

O Dalai Lama se reúne-se, há duas décadas,...
Outras Notícias


JURIS

É com prazer que abrimos este novo espaço de divulgação e comunicação.

Depressa se constatará como ele representa uma nova forma de estar. Quebrando as regras tradicionais, este sítio é interactivo.

Não se limita a ser lido ou a ser mais um local onde podem descarregar-se conteúdos.

Cada informação, cada notícia, pode ter a marca da sua intervenção. Directa. Imediata. Sem recurso a email. À distância de um clique pode estar a sua palavra feita opinião, sugestão ou recomendação, sempre que o entender.

No momento seguinte ela fará parte da alma deste sítio. Transparente e livre como nasceu.

 Maio de 2004

 
 


 

 

 
 



  As oportunidades surgem sob o disfarce de tarefas árduas e a maioria das pessoas não as reconhece  Ann Landers
^ Topo ^