Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
Pesquisa Jurisprudência

hera.pngPesquisa de TODA a jurisprudência nacional e comunitária (publicada na net),
incluindo o DRe
 
 
Ajuda

Um artigo ao acaso: ARTIGOS DE FUNDO - Ecstasy ou a droga do amor

É bem possível que as pessoas que tomam ecstasy ou “droga do amor” experimentem mais sensações relativas ao amor. Segundo um estudo com ratos de laboratório esta droga aumenta os níveis de oxitocina no cérebro. A oxitocina é uma hormona que ajuda a manter a união entre os casais e também a ligação das mães com os seus bebés.

Estudos anteriores revelaram um aumento do nível de oxitocina no sangue das pessoas que tinham consumido ecstasy (metilendioximetanfetamina ou MDMA). No entanto, muitas drogas aumentam estes níveis sem que se notem os seus efeitos no cérebro, factor determinante para que haja efeitos “sociais”.

Num dado momento considerou-se que a MDMA produzia efeitos através da alteração do nível de serotonina, mas outras drogas (incluído o Prozac) também o alteram sem que se produzam efeitos sobre a sociabilidade.

Iain Mcgregor da Universidade de Sydney, na Austrália, e os seus colaboradores estudaram o efeito desta droga em ratos de laboratório. Foi-lhes administrado o equivalente ao que os humanos adultos tomavam e puderam comprovar como se comportavam de forma mais sociável, tal como as pessoas.

Verificaram também que a droga activava os neurónios relacionadas com a oxitocina no hipotálamo, como nos humanos. Quando se lhes administrou, além da droga, um bloqueador dos receptores de oxitocina o aumento de sociabilidade quase desaparecia, mas não de todo.

Não se sabe por que não desaparecia o efeito completamente. Poderia ser que a dose do bloqueador de receptores fosse pequena ou que outros receptores como os da dopamina estejam relacionados com a geração do comportamento social.

Em todo o caso os resultados estão de acordo com os sentimentos e sensações reportados por aqueles que consumiram a droga.

Em ratos...
Outras Notícias


JURIS

É com prazer que abrimos este novo espaço de divulgação e comunicação.

Depressa se constatará como ele representa uma nova forma de estar. Quebrando as regras tradicionais, este sítio é interactivo.

Não se limita a ser lido ou a ser mais um local onde podem descarregar-se conteúdos.

Cada informação, cada notícia, pode ter a marca da sua intervenção. Directa. Imediata. Sem recurso a email. À distância de um clique pode estar a sua palavra feita opinião, sugestão ou recomendação, sempre que o entender.

No momento seguinte ela fará parte da alma deste sítio. Transparente e livre como nasceu.

 Maio de 2004

 
 


 

 

 
 



  Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós.
Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.  
Antoine de Saint-Exupéry
^ Topo ^